terça-feira, 13 de março de 2012

ÉTICA PROFISSIONAL, SENSO CRÍTICO, RESPEITO, CONHECIMENTO, OPORTUNIDADE, ESPERTEZA E INTELIGÊNCIA

PARTE I

Bem, pessoal, pelo visto meus textos estão gerando alguma polêmica. Ultimamente tenho recebido alguns elogios, inclusive de pessoas que eu jamais esperava, mas também algumas críticas positivas – a maioria. Outras, um tanto quanto controversas. É ... críticas são bacanas, aliás, ao meu ver, mais bacanas que elogios, afinal “são as perguntas que movem o mundo e não as respostas” ... Quando a crítica é boa ela te instiga mais, te faz refletir, faz com que você melhore ou pelo menos busque isso. Agora se você faz o gênero da típica pessoa que só fala, fala, fala e não diz nada de útil, sabe aquele tipo de gente que só reclama, que sabe tudo, que é isso e aquilo, mas que na verdade não sabe fazer e nem escrever nada de útil, o famoso “não fede nem cheira”, pois é, de pessoas assim não quero e nem espero nada. Não aceito nem crítica se for só pra falar, peço que faça algo melhor, seja um profissional melhor e mais competente !


Tá, mas e aí, doidão? O que isso tem em comum com o título do texto ou com o assunto que você se propôs a escrever? Hein? Fala aí, brabão!  Ok,vamos lá, vamos recorrer a nossa boa e velha histórinha...




Bem, vou contar como começou a minha história como "personal trainer", opa! melhor, como PROFESSOR DE ECUCAÇÃO FÍSCA! Afinal, esse termo “personal” significa o quê?  Ninguém sabe se é profissão ou qualquer outra coisa, pois só existe no nosso maravilhoso país. Eu não sou e ninguém é “personal trainer”, o cara que formou em Educação Física é professor! E o estudante de Educação Física é “estudante de Educação Física” e não um estudante de “personal trainer”! Sacou? Ok, vamos direto ao ponto, chega desse lenga- lenga! Vamos ao assunto, né dotô!


Durante minha vida acadêmica fui bolsista de Iniciação Científica, desde o 2º semestre até o fim da faculdade, no 8º semestre. E, graças ao meu bom Deus e, claro, ao meu interesse, tive a oportunidade e o prazer de vivenciar e trabalhar com diversos públicos: de idoso à atleta de alto rendimento, outros atletas que “achavam” que eram de rendimento, portadores de necessidades especiais, policiais e até as doces criancinhas...


E, sabe que eu aprendi algumas coisinhas bem interessantes. Bem, a primeira, na verdade, é uma constatação e não um aprendizado. Essa é pra você “estudante de faculdade pública”, seja ela essa meia boca que temos aqui na redondeza, é, essa mesma... ou  as mais tops, aquelas mesmas que costumam ter SP no nome. Bem, sabe o que eu descobri? Sabe o que temos em comum com esses mundos tão distantes? Chama-se EXTENSÃO ! É, meu amigo, EXTENSÃO, é lá no famoso extra-classe que você realmente aprende alguma coisa na faculdade pública, aliás, essa é a grande vantagem da faculdade pública. É lógico que tem a questão do ensino gratuito também, mas isso não vem ao caso, pelo menos não agora. Voltando ao que interessa...  Pesquisa e extensão fazem parte do tripé que rege o nosso querido sistema universitário. Já ouviu falar em  ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO? Pois é, amiguinho, isto é uma faculdade pública !



ENSINO. Sabe aquela coisa de escola secundarista, onde temos um professor que normalmente "sabe tudo", temos as conversas do “fundão”, as briguinhas internas (e pasmem: quanto mais mulher, maior a quantidade de rixas!), e outras “cositas mas” que em toda sala de aula tem, você sabe, né?


PESQUISA. VAI PESQUISAR, porque essa eu não vou explicar !


EXTENSÃO. Possui ligação direita com a pesquisa, sabe aquela coisa de um depender do outro?


Sacou? Não? Quer exemplos? Ok! Sabe aquele professor “f*dido” que tem lá na sua faculdade, é, aquele mesmo que detesta dar aulas pros preguiçosos, mal educados e que não sabem nada, mas só reclamam. Pois bem, se você quer que ele te ensine a dominar o mundo em algumas horinhas semanais, esqueça! Primeiro, ele não é pago só pra isso, e mesmo que fosse ele não veio do OLIMPO para realizar tal feito. Sabe essa história de Dedicação Exclusiva, 40 horas semanais, então, essas horas não são dedicadas somente para o ENSINO em sala de aula. O cara tem que dedicar para o tripé! É, mas ele bem que poderia caprichar mais na sala de aula, né? Apresentar uma didática melhor, dar aula com mais gosto, entre outras coisas do tipo. É, realmente alguns professores pecam muito nisso, mas não vamos mudar o foco, pois essa discussão é um tanto complexa.


Ok, mas lembra que eu falei que o cara é “f*dido”, todo mundo sabe que ele domina o assunto e você se interessa pelo mesmo assunto. Mas ele não gosta de dar aula e não gosta dos alunos da graduação também, "male má" gosta dos alunos de mestrado. E agora? Como você faz pra aprender com esse cara? Paga? Chora? Suplica? Bom, quem sabe pode até dar certo, né? Vai saber. Tente ou faça diferente! Aliás, sabe o que eu fiz? Fui atrás, corri mesmo, perguntei se eu podia participar das reuniões, das pesquisas, me interessei e me propus estar no meio. Foi a partir daí que eu comecei a entender como funciona o nosso querido SISTEMA UNIVERSITÁRIO.



E pode ter certeza, se você quer realmente aprender na faculdade, entre de cabeça nos programas de PESQUISA e EXTENSÃO! É lá que você vai ter contato direto com seu professor, lá você colocará em prática tudo o que você estudou (se é que estudou realmente), é lá o lugar onde os professores se sentem bem, na pesquisa, produzindo. Se você quer realmente ser diferenciado, se você espera algo novo e de excelência da faculdade, não se limite a sala de aula, deixe isso para os "espertos"! Faça mais que isso, procure, vá atrás, seja humilde, estude, leia algo a mais, não seja IGNORANTE achando que ler filosofia é só pra filósofo, que ler sobre nutrição é coisa somente de nutricionista e fisiologia do exercício é exclusivo para educador físico. Vá alem, faça mais do que esperam de você! Não espere seu orientador te ligar ou te procurar, ele nunca fará isso.


Tem continuação, viu? E amanhã também teremos mais histórinhas sobre as "bombinhas", tá, "bobinho"?!

                                               Prof. Frederico A. F. Rangel

·                                                     "A vitória sempre foi de quem nunca duvidou dela” (Raul Follerma)



                                                                                                                  Fonte das Fotos: Google


                     

2 comentários:

  1. Exprimiu com precisão o acontece nos quatro longos anos de qualquer PIBIC, VIC, PET(ic), etc.. ehehe

    ResponderExcluir

Bem vindos ao Mitos da Musculação!! seu comentário me deixa feliz!!